A abdução de Travis Walton

Em 1975, no Arizona, um lenhador é atingido por uma luz misteriosa e some por vários dias. Travis Walton é um dos mais misteriosos e bem documentados casos de abdução.

364
Links Patrocinados
 

Travis Walton trabalhava como lenhador e estava realizando serviços na Floresta Nacional de Apache-Sitgreaves, no Arizona, na companhia de outros seis homens: Mike Rogers, Ken Peterson, Allen Dallis, John Goulette, Dwayne Smith e Steve Pierce. O grupo havia sido contratado pelo Serviço Florestal dos EUA para desempenhar uma variedade de tarefas, entre elas podar arbustos e pequenas árvores em uma área de mais de 1,2 mil acres próxima ao vilarejo de Snowflake, onde os homens moravam.

No entanto, como o cronograma de trabalho estava atrasado, os homens decidiram fazer turnos mais longos, iniciando as tarefas por volta das 6 da manhã e finalizando somente depois do pôr do sol. Então, no dia 5 de novembro, por volta das 18 horas, o grupo embarcou em uma caminhonete e, enquanto retornava a Snowflake para descansar, os lenhadores avistaram uma intensa luz que vinha de trás de uma colina.

Links Patrocinados
 

Curiosos, decidiram se aproximar para descobrir o que estava emitindo o brilho e foi então que eles avistaram um OVNI pairando a cerca de 6 metros do solo. Segundo seus testemunhos, o objeto tinha formato de disco com aproximadamente 6 metros de diâmetros e 2,5 metros de altura e apresentava uma série de linhas divisórias verticais escuras em sua superfície.

O grupo parou a caminhonete, e Walton, que na época tinha 22 anos, saltou e foi correndo ao encontro do disco voador enquanto seus companheiros, atônitos, gritavam para que ele voltasse. Segundo contou mais tarde, ele não fez isso para provar que era mais valente do que seus colegas, mas simplesmente porque não queria perder a oportunidade de ver uma nave alienígena de perto.

Travis Walton

Então, quando Walton se encontrava praticamente debaixo do objeto, o disco começou a girar e a produzir barulhos semelhantes aos de uma turbina. Ele até tentou se esconder atrás de uma pedra, mas o objeto emitiu uma intensa luz verde azulada e Walton lembra que sentiu como se seu corpo tivesse sido eletrocutado.

Walton não se recorda do que aconteceu depois, mas seus companheiros que testemunharam o ocorrido contaram que seu corpo começou a levitar, arqueado para trás, e chegou a ficar a cerca de 3 metros do solo. Em seguida, Walton foi lançado para longe feito uma marionete, e seus colegas, apavorados e crentes de que ele havia morrido, fugiram na caminhonete com medo de serem os próximos.

No entanto, após se certificarem de que não estavam sendo seguidos, os homens iniciaram uma discussão e decidiram voltar para recuperar o corpo do amigo. Só que, ao retornar ao local onde eles haviam visto Walton pela última vez, ele não estava mais lá. O grupo chegou a vasculhar toda a área em busca de pistas, mas depois de não encontrarem absolutamente nada, começaram a considerar a ideia de que ele pudesse ter sido levado pelos ocupantes da nave.

Os companheiros acionaram as autoridades de Snowflake para informar sobre o desaparecimento de Walton e revelaram os detalhes do que haviam testemunhado. É claro que os policiais duvidaram dos relatos, especialmente depois de ir até o local do incidente e concluir que não havia nada que comprovasse que um disco voador tinha estado por lá.

Investigações

Não demorou até a notícia sobre o que havia acontecido começar a se espalhar e repórteres, curiosos e ufólogos começarem a aparecer na região. Enquanto as investigações prosseguiam, uma equipe de buscas foi organizada, inclusive helicópteros e homens montados a cavalo se uniram ao esforço.

Contudo, apesar de toda a mobilização, com o passar dos dias, a esperança de encontrar Walton com vida era cada vez menor, visto que as temperaturas na região caíam abaixo de zero durante a noite.

Jornal da época com uma reportagem sobre o caso.

Os investigadores chegaram a desconfiar de que a história do OVNI tinha sido inventada para encobrir algum acidente ou quem sabe até um assassinato. Entretanto, os companheiros de Walton chegaram a ser submetidos ao teste do polígrafo e os resultados apontaram que eles diziam a verdade.

Foi então que, no dia 10 de novembro, cinco dias depois do desaparecimento, o telefone de Alison Walton, irmã de Travis , começou a tocar. Era um pouco depois da meia-noite, e quem atendeu a chamada foi Grant Neff, marido de Alison. Do outro lado da linha, o lenhador explicou que se encontrava em um posto de gasolina, que estava ferido e que precisava de ajuda.

Grant encontrou Walton caído em uma das cabines telefônicas do posto que ele tinha indicado e contou que o cunhado estava abatido, confuso, não fazia ideia de que havia estado desaparecido por tanto tempo e não parava de falar sobre humanoides assustadores.

O relato de Walton

Walton disse que, depois de ser atingido pelo feixe de luz, acordou no interior da nave, deitado em uma maca no que parecia ser uma enfermaria, e descobriu que havia uma porção de tubos conectados a seu corpo. Além disso, havia um trio de seres com ele, que Walton descreveu como tendo cabeças desproporcionalmente grandes, pele extremamente branca e olhos enormes. As criaturas tinham baixa estatura, eram desprovidas de orelhas, boca e nariz salientes e não tinham cabelos.

O lenhador contou que, embora sentisse muitas dores e se sentisse muito enfraquecido, entrou em pânico e deu um jeito de escapar da sala onde se encontrava. Então, enquanto corria no interior da nave tentando encontrar uma saída, ele se deparou com outro tripulante do disco voador: um homem loiro com cerca de 2 metros de altura que vestia um capacete e roupas espaciais.

Segundo Walton, esse homem o levou até o exterior da nave, e lá ele descobriu que se encontrava em uma espécie de hangar onde havia outros discos voadores. O tripulante misterioso o conduziu até uma sala e, nesse lugar, ele viu outros seres com aparência humana. Em pânico, o lenhador não parava de fazer perguntas, mas seus anfitriões não diziam nada.

Walton, à frente, e seus companheiros de trabalho com o prêmio em dinheiro que receberam do The National Enquirer.

Em seguida, os seres puseram uma máscara sobre seu rosto e tudo o que Walton se lembra depois disso é de ver a nave se afastar enquanto ele acordava no acostamento de uma estrada. Foi então que ele caminhou até o posto de gasolina, ligou para a casa de sua irmã e desmaiou na cabine telefônica.

O incidente gerou uma repercussão imensa e foi largamente coberto pela mídia. Tanto que a história de Walton e seus companheiros acabou ficando conhecida como o caso de abdução alienígena mais bem documentado de todos os tempos.

Walton chegou a passar pelo teste do polígrafo em outras ocasiões, inclusive a pedido de organizações de ufólogos. Ele também apareceu em inúmeros programas de televisão e, juntamente com seus companheiros, recebeu um prêmio em dinheiro de um tabloide sensacionalista chamado The National Enquirer pelo “melhor caso de OVNI do ano”.

Em 1978, Walton lançou um livro contando sua experiência, e o caso se transformou no filme “Fogo no Céu”, de 1993. Contudo, apesar de o lenhador se transformar em uma celebridade e muita gente acreditar em sua história, não faltaram críticos dizendo que tudo não passou de uma bem elaborada farsa.

De acordo com os céticos, existem inúmeras inconsistências no caso, e os testes do polígrafo não teriam sido realizados corretamente. Além disso, os críticos alegam que, concidentemente, duas semanas antes de Walton desaparecer, um popular canal de televisão norte-americano apresentou uma dramatização sobre a abdução do casal Betty e Barney Hill, e que o desaparecimento do lenhador teria sido orquestrado para aproveitar a repercussão que o programa gerou.

Travis Walton continua defendendo a versão de que realmente foi abduzido naquela fria noite de 1975. Ademais, seu caso gera ainda gera bastante interesse, e até hoje ele é convidado para dar entrevistas e participar de encontros de ufólogos pelo mundo.