A misteriosa Linguagem Perdida dos Anjos

Uma linguagem supostamente perdida para a história, apenas para reaparecer e se tornar um enigma que não foi resolvido. Esta é a história da linguagem perdida dos Anjos.

Links Patrocinados
 

Os seres humanos tiveram milhares de idiomas falados e escritos, que estão conosco desde tempos imemoriais. Algumas dessas línguas foram perdidas na história, ou foram extintas, ou têm poucos oradores, mas uma das mais estranhas delas é uma língua que se diz não ser para humanos, mas dada a nós por anjos supostamente reais.

No século XVI, o ocultista, médium espiritual, matemático, astrônomo e astrólogo John Dee era um membro respeitado e influente da sociedade londrina e conselheiro científico da rainha Elizabeth I, este era um homem que ninguém ousaria chamar de charlatão.

No começo, ele não tinha nenhum interesse no paranormal, mas junto com o colega ocultista Edward Kelley, em 1581, começaram a fazer afirmações ousadas de que, após anos de tentativas de entrar em contato com o mundo espiritual, haviam conseguido estabelecer comunicações com anjos reais e fizeram as primeiras incursões em decifrar a suposta e antiga linguagem perdida dessas entidades.

A ideia de algum tipo de linguagem além dos humanos e usada para anjos não era nova na época, mas sempre havia sido um mistério que nunca deveríamos conhecer e que deveria estar para sempre fora do nosso alcance. No entanto, acreditava-se amplamente que, se alguém pudesse aprender essa linguagem angelical, estaria livre para conversar com eles e acessar todos os tipos de conhecimentos secretos e grandes poderes.

John Dee

De acordo com Dee e Kelley, eles conseguiram fazer exatamente isso através do uso de rituais e várias parafernálias, como uma bola de cristal e um espelho de obsidiana preto. Durante essas sessões, alegou-se que os anjos apareciam para eles e uma pedra era usada para registrar tudo o que eles diziam. Esses anjos que se manifestavam lhes ensinaram sua língua.

Dee chamou essa linguagem de “Angelical”, o “Discurso Celestial” e a “Primeira Língua de Deus”, embora atualmente seja mais conhecida como “Enoquiano”, e supostamente foi reivindicada pelos anjos, que ela havia sido falada desde o início do universo e que era a linguagem que Deus usou para criar o mundo e que mais tarde foi usada pelo primeiro homem, Adão, para falar com Deus e os anjos.

De fato, alegou-se que Adão esquecera a língua e criou o proto-hebraico, com base no que ele poderia lembrar do Enoquiano, que se tornaria o que Dee chama de “linguagem humana universal”. De acordo com os anjos com os quais Dee e Kelley estiveram supostamente interagindo, o último falante humano da língua antes deles foi o Patriarca Bíblico Enoch, que viveu por 365 anos antes de ser levado para o céu sem morrer.

Para esse fim, Dee e Kelley documentaram e narraram essa linguagem misteriosa em seus diários particulares, descrevendo a gramática, sintaxe, vocabulário e até mesmo um sofisticado roteiro escrito, lido da direita para a esquerda e com várias fontes diferentes. Esta coleção de material formaria a base de seu livro Liber Loagaeth (Livro de Discurso de Deus), que consiste em 49 grandes tabelas de letras contendo inúmeras palavras em Enoquiano e toda a gramática e sintaxe.

Os dois ocultistas supostamente registraram centenas de conversas com os anjos nesta língua, e os diários de Dee e Kelley continham desenhos detalhados dos caracteres do alfabeto enoquiano, que na verdade são mais parecidos com glifos. Dee usaria esse alfabeto para escrever seu trabalho chamado Claves Angelicae (Chaves Angelicais), composto por 48 versos poéticos, que estão intimamente ligadas ao sistema de Magia Enoquiana, que eram tidos como essenciais para aprender a linguagem angelical.

A língua Enoquiana foi redescoberta posteriormente dentro desses diários e estudada por linguistas, embora haja o problema de que partes dos manuscritos originais de Dee sobre o assunto foram perdidos.

O Alfabeto Enoquiano

A opinião sobre a validade dessa linguagem mística varia muito. Para alguns, é a língua mais antiga do universo e uma ferramenta poderosa para entrar em contato com os reinos além do nosso, enquanto outros são mais céticos. Os linguistas acreditam que, embora tenha sido muito bem pensada, o Enoquiano é suspeitamente semelhante ao inglês de várias maneiras, e uma análise cuidadosa da língua mostrou que não é tão especial para uma suposta língua divina, mas que exibe características que simplesmente não estão presentes em idiomas que ocorrem naturalmente. Basicamente, por toda a sua complexidade, parece que ela foi criada em vez de surgir naturalmente. Está repleta de anomalias estranhas, e às vezes quase perfeitas demais, em que existem sílabas e palavras semelhantes, mas que não possuem nenhum significado herdado real, soam como alguma forma de linguagem, incluindo acentuação, ritmo, entonação e pausas.

Apesar das críticas dos linguistas, o idioma enoquiano tornou-se muito popular entre ocultistas e praticantes de magia, ficando popularizado por figuras conhecidas como Aleister Crowley, Israel Regardie e Anton LaVey, e talvez, ironicamente, tenha se tornado um idioma para satânicos rituais e práticas.

Considerando que muitas das anotações originais foram perdidas, é realmente difícil obter uma imagem clara de qual é a extensão dessa linguagem perdida e ela permanece imersa em mistério, com alguns que afirmam que ela é a chave para um grande poder e outros que alegam se tratar apenas de uma farsa inventada.

Se Dee e Kelley realmente descobriram uma linguagem angelical perdida ou isso tudo é apenas uma invenção, estamos longe de descobrir, mas qualquer que seja a resposta, a suposta linguagem perdida dos anjos conseguiu manter sua mística e ser discutida até os dias de hoje.

Conteudo Patrocinado