Artefato que retrata rainha-faraó é encontrado acidentalmente

Hatshepsut reinou no Antigo Egito há mais de 3,4 mil anos: artefato pertenceria a um complexo de tumbas às margens do rio Nilo.

382
FRAGMENTO QUE RETRATARIA A RAINHA-FARAÓ HATSHEPSUT (FOTO: SWANSEA UNIVERSITY)
Links Patrocinados
 

Em meio aos diferentes fragmentos arqueológicos resgatados das tumbas dos faraós que governaram o Antigo Egito, um artefato talhado em pedra quase passou despercebido pelos cientistas. Após um olhar mais atento, entretanto, pesquisadores da universidade britânica de Swansea identificaram um raro registro da rainha-faraó Hatshepsut, que liderou o reino há mais de 3,4 mil anos.

Apesar de não conseguirem identificar o local exato de onde os fragmentos foram encontrados, os arqueólogos afirmam que o retrato esculpido de Hatshepsut estaria em Deir el-Bahari, um complexo de templos mortuários situado às margens do rio Nilo. O conjunto de tumbas fica próxima à cidade de Luxor, que corresponde à antiga Tebas — capital do Antigo Egito.

Links Patrocinados
 
O PESQUISADOR KEN GRIFFIN TRABALHA NA RECONSTRUÇÃO DO ARTEFATO (FOTO: SWANSEA UNIVERSITY)

De acordo com Ken Griffin, pesquisador que liderou o trabalho de identificação do artefato, foi possível identificar a homenagem à Hatshepsut por conta de hieróglifos que faziam referências à uma figura feminina. Ao reconstruir os fragmentos — que estavam despedaçados — também foram identificados ornamentos que enfeitavam a rainha-faraó.

Apesar de Cleópatra ser a liderança feminina do Antigo Egito mais conhecida na atualidade, Hatshepsut é considerada uma das mais poderosas rainhas-faraó. Ela assumiu a regência do reino durante a infância de seu enteado, Tutmés III, mas continou a governar o Egito mesmo após sua maioridade. De acordo com os registros históricos, o período de sua liderança foi um momento de paz e de estabilidade no reino.

Após a morte de Hatshepsut, entretanto, Tutmés III ordenou que esculturas e registros de sua madrasta fossem apagados da História. A redescoberta da rainha-faraó aconteceu apenas no século 20, quando sua múmia e outros fragmentos históricos foram localizados.