Força Aérea Brasileira acompanha casos ufológicos desde a década de 1950

Desde 1954, quando a FAB começou a fazer os registros, até hoje, foram pelo menos 777 casos oficiais de OVNIs no Brasil.

Links Patrocinados
 

As informações constam nos arquivos sobre o assunto da FAB, disponíveis para consulta pública no Arquivo Nacional.

Desde 2010, a FAB manda para o Arquivo Nacional lotes sucessivos de documentos que ficavam sob sigilo no Comando da Força Aérea.

Desde 2015, trechos do acervo estão disponíveis para consulta na internet no site do SIAN – Sistema de Informações do Arquivo Nacional – neste link.

A maior parte do material é composta pelas Fichas de Controle de Tráfego Hotel, preenchidas por pilotos civis e militares e controladores de voo. Mas há mais que isso: boletins de ocorrência, reportagens jornalísticas, fotos, desenhos, vídeos, áudios, depoimentos e documentos diversos integram o acervo.

Até a década de 1970, a Força Aérea chegava a investigar os episódios mais notórios, com equipes em campo, e chegou a ter um departamento especial para realizar missões e investigações sobre o tema OVNI.

Até os anos 1990, os arquivos ainda traziam recortes de jornais com notícias sobre o tema, mas hoje, são apenas feitos os registros das Ficha de Controle de Tráfego Hotel.

De acordo com a Aeronáutica, não há mais análise nos materiais desde os anos 1970, apenas é feito o registro e, a partir de 2010, eles passaram a ser enviados anualmente para o Arquivo Nacional.