“Fui estudado por alienígenas” – relata Analista de Sistemas abduzido

Analista de Sistemas conta como foi abduzido diversas vezes no período de um mês.

230
(Mauricio Planel/Mundo Estranho)
Links Patrocinados
 

“No meio de 2016, acordei tonto, com a cabeça latejando, e percebi que meu corpo estava dolorido. Parecia uma ressaca, mas eu não tinha bebido nem feito esforço físico nos dias anteriores. Achei estranho. Nos dias seguintes, as sensações se repetiram e comecei a notar que, além das dores, meu corpo também exibia manchas roxas, principalmente nos punhos e tornozelos. Os hematomas pareciam resultado de uma imobilização, como se eu tivesse sido amarrado e apertado nesses pontos.

Achei tudo muito incomum e passei a me questionar: como esses roxos apareceram em mim? Moro e durmo sozinho, não havia maneira de alguém ter me machucado à noite, fosse de propósito ou sem querer. Minha rotina era básica, eu só ia da casa para o trabalho e de volta para casa. Nenhuma parte do trajeto apresentava qualquer risco físico e eu estava sempre alerta. Então, na semana seguinte aos hematomas, vieram os sonhos – ou o que pareciam ser sonhos.

Neles, eu me via deitado em uma maca dentro de um hospital ou laboratório. Em torno da maca, silhuetas que eu não podia reconhecer me observavam. Pareciam me examinar. Meus braços e pernas estavam amarrados com cordas – e elas apertavam justamente os pontos onde eu tinha hematomas. O sonho me retratava com sonolência, eu via as cenas em flashes, como se desmaiasse e acordasse a todo instante.

Além de me deixar grogue, o lugar tinha luzes brancas fortíssimas que não me permitiam enxergar quase nada. Comecei a suspeitar de que talvez não fossem sonhos e, nesses dias, passei a anotar tudo o que lembrava no minuto em que acordava. Queria entender o que estava acontecendo. Acumulei uma quantidade grande de notas e comecei uma pesquisa online. Também conversei com outras pessoas que tiveram experiências parecidas.

O que encontrei nas leituras e conversas me levou a ter certeza de que, por quatro semanas seguidas, fui visitado e estudado por seres extraterrestres. Os hematomas, as luzes, as dores e os sonhos, tudo isso costuma aparecer em quem passa por situações de contato alienígena. Passaram-se mais alguns dias e, de repente, parei de sonhar com o ambiente laboratorial. Minha pele ficou menos marcada e os roxos começaram a desaparecer. Ficou a minha sensação de ter passado por uma experiência totalmente louca.”

Cristiano Reis tem 30 anos, é analista de sistemas e foi abduzido diversas vezes no período de um mês. Depoimento a Laíssa Barros para a Revista Mundo Estranho.

Links Patrocinados