Inseto misterioso com tufo de cabelo encontrado no Suriname

Não se sabe se este artrópode de cabelo maluco é uma nova espécie, mas ele pertence à infraordem Fulgoromorpha.

286
Links Patrocinados
 

Trond Larsen teve a sorte de encontrar e fotografar este pequeno inseto de cerca de cinco milímetros de comprimento durante uma expedição internacional de biólogos de campo para a região montanhosa no sudeste do Suriname, em 2012.

Foi uma manobra rápida, realizada “com muita dificuldade, já que eles pulam para longe muito rápido” disse Larsen, do Programa de Avaliação Rápida (RAP)da Conservação Internacional.

Links Patrocinados
 

Esse também foi o motivo para Larsen não conseguir coletar o espécime de inseto, o que seria necessário para compará-lo a outros insetos e descobrir se é uma espécie conhecida.

Outro aspecto que torna a identificação difícil é o fato do Fulgoromorpha estar no início de seu estágio de desenvolvimento, o que o torna muito diferente de um adulto.

Uma fotografia do jovem Fulgoromorpha e seu estranho tufo.

Alguns insetos passam por uma metamorfose simples (às vezes, chamada de metamorfose incompleta ou gradual), o que significa que eles se transformam em uma ninfa um pouco maior para então se tornarem adultos com asas completas, de acordo com Leeanne Alonso, da ONG Global Wildlife Conservation, que também participou da expedição. Alonso notou que os “brotos das asas” dos insetos jovens eram visíveis na fotografia.

Quanto a espetacular fonte de plumagem à la Don King, os cientistas dizem que se trata de uma secreção cerosa expelida por muitos Fulgoromorpha a partir de seu abdome, o que pode protegê-los contra predadores e parasitas.

Seria de se imaginar que isso serviria para atrair, e não distrair. Mas os predadores deste inseto seriam muito pequenos, e agarrar aqueles tufos cerosos pode ser um desafio. Os cabelos podem até se quebrar, como a cauda de uma lagartixa, permitindo que o inseto viva mais um dia.

Além do estranho Fulgoromorpha, os cientistas também encontraram uma incrível variedade de biodiversidade na floresta tropical do Suriname, coletando dados de 1.378 espécies.

“É um dos meus lugares preferidos no mundo” disse Alonso, embora ela mencione que a extração de ouro esteja ameaçando a natureza intocada do local.