Nativo Americano conta história sobre o “Povo das Estrelas” que caiu em sua reserva

Um ancião indígena compartilhou uma história sobre o “Povo das Estrelas” e sua espaçonave que caiu acidentada em sua reserva nos anos 40.

334
Links Patrocinados
 

Recentemente, me deparei com o trabalho da Dra. Ardy Sixkiller Clarke, que traz para o campo da ufologia cursos em história, inglês, psicologia e liderança educacional e um histórico como professora e administradora universitária, terapeuta licenciada, psicóloga e pesquisadora de ciências sociais. Ela é professora emérita na Montana State University e ex-diretora do Centro de Educação Bilíngue / Multicultural. A Dra. Clarke, que é Cherokee / Choctaw, trabalhou com os povos indígenas durante a maior parte de sua carreira e tem algumas histórias incríveis para contar.

Aqui está uma grande citação no início de seu livro “Encounters With Star People, Untold Stories of American Indians” (Encontros com o Povo das Estrelas, histórias não contadas dos índios americanos – ainda sem tradução em português).

Links Patrocinados
 

“Eu aprendi sobre o “Povo das Estrelas” quando minha avó me contou as lendas antigas do meu povo. Minha realidade infantil incluía narrativas que traçavam as origens dos povos indígenas das Américas até as Plêiades; histórias de ‘pessoas pequenas’ que intervieram na vida das pessoas e lendas sobre o dom mágico do DNA do “Povo das Estrelas” que fluía nas veias das tribos indígenas da Terra. Abracei as histórias dos visitantes celestes que viviam entre o povo indígena como parte de minha herança.”

Em seu livro, ela compartilha muitas histórias, e uma delas vem de um cavalheiro chamado Harrison. Ela escreve:

“Localizadas nos estados de Dakota do Norte e do Sul, Wyoming, Idaho e Montana, as Tribos Indígenas das Planícies do Norte têm muitos relatos sobre OVNIs. A história deste capítulo é contada por um ancião respeitado de uma tribo das Planícies do Norte. Seu encontro é anterior ao incidente em Roswell. Desde que gravei essa história, Harrison faleceu, mas o tempo que passei com eles ao longo dos anos mudou minha vida.”

Harrison contou uma história de como seu avô o levou em uma nave espacial no verão de 1945. Ele disse que tinha 12 anos na época e explicou como o Corpo de Engenheiros do Exército chegou à reserva por volta do verão de 1947 para examinar o rio e área circundante “para o reservatório”. Então, originalmente, não havia reservatório. O Corpo de Engenheiros do Exército confiscou a terra e, em troca, deu ao avô de Harrison um pedaço de terra sem valor do outro lado da planície.

“Eu passava todos os verões na casa dele desde os seis anos de idade. Mamãe e papai trabalhavam para a tribo e não me queriam em casa sozinho durante o verão. Então, todo mês de maio eu empacotava duas sacolas: uma com uma muda de roupa e outra com livros, bolinhas de gude e minha arma de brinquedo. Meus pais me deixaram para morar com o vovô de junho até o final de agosto. Adorei meus verões aqui, até o isolamento. Eu era a única criança na região, andava com cavalos e com gado. Ajudava nas tarefas, em tudo o que eu podia fazer. À medida que envelheci, havia tarefas maiores e mais responsabilidade. Não havia TV ou vídeos como hoje. À noite, o vovô me divertia com os mitos antigos e lendas do nosso povo.”

O relacionamento de Clarke com Harrison cresceu ao longo dos anos, os dois se conheceram quando o distrito escolar dele pediu a ajuda dela na solicitação de um subsídio federal. Harrison foi seu contato e foi responsável por acompanhá-la pela reserva.

Ela explica: “Levou quase 25 anos de visitas até Harrison me perguntar se eu acreditava no Povo das Estrelas”. Ela respondeu com um sim e então ele disse: “Alguém me disse que você coleciona histórias sobre o Povo das Estrelas, acho isso incomum”.

Ela respondeu:

“Eu coleciono histórias há alguns anos. Eu cresci ouvindo as histórias antigas do Povo das Estrelas da minha avó. Onde quer que eu vá, se estou entre os povos indígenas, pergunto a eles sobre suas histórias de OVNIs e Povo das Estrelas. Talvez um dia eu escreva um livro, ouvi alguns relatos surpreendentes de índios americanos.”

Harrison então se ofereceu para levá-la ao local, onde ele compartilhou uma história incrível que ocorreu na fazenda de seu avô antes do envolvimento do Corpo de Engenheiros do Exército.

Ele contou uma história que seu avô lhe contara sobre uma nave espacial que caiu na propriedade. Harrison disse:

“Eu vi a nave, subi a bordo. Era um cilindro longo com cerca de 10 metros de largura e 20 metros de comprimento. Medi-o andando de um lado para o outro. A maior parte ficou presa dentro do platô, perto do nível da água. Estava bem escondida. Agora você não pode ver mais o platô, pois está coberto de água de quando o Corpo de Engenheiros inundou o vale, criando o reservatório.”

Ele continua explicando:

“O acidente sacudiu o chão com tanta força que o vovô pensou que a casa iria desmoronar. Você ainda pode ver uma rachadura na fundação da cabana de madeira que o vovô disse que ocorreu quando a nave espacial caiu. Os cavalos ficaram tão assustados que levou um mês para juntá-los de novo, e mesmo assim eles estavam constantemente tentando escapar. No começo, o vovô pensou que era um terremoto, mas quando a poeira baixou, ele viu a nave. Ela atingiu com tanta força que apenas uma pequena parte ficou para fora do platô, mas o vovô não tinha só um olhar atento, ele conhecia essa terra como as palmas da mão. O menor distúrbio chamava sua atenção. Por um longo tempo, ele ficou sentado no platô, à procura de algum sinal de vida. Ele manteve uma vigília por dias. Finalmente, depois de uma semana, ele se aventurou no local do impacto.”

Seu avô disse a ele que os “homens das estrelas” que caíram e sobreviveram lá viveram em sua nave por aproximadamente 5 meses antes de outra nave chegar para resgatá-los.

“No momento do acidente, o rancho mais próximo de nossa casa ficava a 16 quilômetros de distância e, como o destino queria, esses vizinhos haviam se mudado do estado dias antes do acidente ocorrer. O vovô se deliciava em manter em segredo a presença dos homens das estrelas.”

Harrison explicou que a primeira vez que seu avô se aproximou deles, ele o fez levando-lhes uma oferta de comida. Disseram-lhe que não comiam carne. Ele os descreveu como mais altos que os humanos, com pelo menos 2 a 2,5 metros de altura e muito brancos. Harrison disse:

“Ele os descreveu como sendo tão brancos que você quase podia ver dentro deles. Não sei o que ele quis dizer com isso, exceto que ele disse que a pele deles era fina. Eles tinham dedos longos e finos, muito mais longos que os humanos. Os cabelos eram brancos. Quando o sol brilhava, o vovô disse que parecia haver uma auréola em volta da cabeça. Ele disse que, às vezes, pareciam com os anjos retratados nas pinturas de sua Bíblia, exceto que não usavam vestidos. Seus olhos também, mudavam de cor dependendo da luz.”

Além disso, o avô de Harrison descreveu para ele o que eles usavam:

“Ele estava particularmente interessado nas roupas deles. Eles usavam uma roupa verde clara de uma peça única. Ele me disse que havia momentos em que os via no rio, e quando se aproximava deles, as roupas estavam secas. Ele me disse que desejava ter uma roupa assim. Quando penso no velho e em como ele viu os visitantes das estrelas, ele fez o possível para descrever o que viu. Tenho certeza de que se o mesmo acontecesse hoje, os observadores poderiam oferecer uma perspectiva mais sofisticada.”

Harrison continuou explicando que haviam quatorze deles e que seu vovô não tinha certeza se todos sobreviveram ao acidente. Harrison diz que, quando chegou no verão, depois que os visitantes foram embora, ele entrou na nave e haviam dezessete assentos.

Quanto ao motivo de estarem aqui, Harrison disse:

“Vovô disse que muitas vezes via o Povo das Estrelas apanhando pedras e plantas. A princípio, quando o viam, desapareciam diante de seus olhos. Ele nunca descobriu uma explicação para isso, mas desejou ter esse poder”, Harrison riu. “Vovô pensou que essa era a habilidade final – simplesmente desaparecer no ar quando você quisesse. Não consigo imaginar como ele planejava usá-la. Com o passar do tempo, o vovô disse que os homens das estrelas perceberam que ele não queria fazer mal e não desapareciam mas quando ele se aproximava. Com o tempo, ficou claro para ele que eles estavam preocupados com sua nave. Eles não queriam que fosse descoberta.”

Seu avô disse que os seres viveram lá do final de novembro até abril. Segundo ele, outra espaçonave apareceu em 17 de abril de 1945 e ele nunca mais os viu.

“Ele sabia que eles estavam aguardando uma nave de resgate, assim ele esperava. Ele me disse que a nave espacial era uma das quatro que estavam explorando a Terra. Eles haviam sido deixados por uma nave maior que circulava a Terra. A grande nave retornaria para eles. mas não por algum tempo. Eles apenas tiveram que esperar. Eles não tinham medo de serem descobertos, poderiam se tornar invisíveis, mas não podiam fazer o mesmo com sua nave espacial.”

Ele disse que seu avô testemunhou o resgate.

“Ele assistiu enquanto eles se preparavam para partir. Cada um dos viajantes encalhados veio até ele e fez uma reverência antes de partirem. Ele entendeu que eles apreciaram sua discrição.”

Sobre o porque de eles estarem aqui:

“O vovô me disse que eram exploradores e viajavam pelo universo observando a vida em outros mundos. Eles vinham à Terra há milhares de anos observando, coletando e notando mudanças. Um dia, eles o levaram a bordo de sua nave e mostraram imagens de sua casa. Como ele descreveu, eu suspeito que era algum tipo de TV ou computador, mas nos dias de meu avô não havia tal coisa, então ele ficou encantado com o que chamou de “uma máquina de imagens”. Ele falou sobre imagens que mostravam um lugar diferente da Terra. Lembrava as ‘badlands’ (terras baldias), mas sem vegetação. Suas casas eram subterrâneas. Ele perguntou se era o Paraíso, e eles disseram que não tinham um lugar como o paraíso. Ele ficou fascinado pela ‘máquina de imagens’ e voltou diversas vezes para vê-las. Aparentemente, os visitantes das estrelas disseram a ele que gostavam do verde da Terra e acharam que os salgueiros vermelhos que cresciam ao longo das margens do rio eram muito bonitos em abril. Eles adoravam a água. Em seu mundo, a água estava no subsolo: nada na superfície. Meu avô frequentemente colecionava geodos para eles. Eles ficaram surpresos quando ele os abriu para revelar as estruturas cristalizadas dentro. Eles aparentemente ficaram satisfeitos em adicioná-los à sua coleção. Vovô também lhes ensinou os usos medicinais do salgueiro vermelho e como cultivá-lo a partir de uma pequena muda.”

Quanto à nave, ela foi deixada lá, foi bem camuflada a tal ponto que ninguém seria capaz de reconhecê-la a olho nu, a menos que soubessem especificamente o que estavam procurando. Harrison explicou que quando entrou na nave e se sentou em uma cadeira, ela “derretia” ao seu redor, como se estivesse viva. Envolvia o corpo como um abraço caloroso e depois o liberava quando você queria se levantar. A nave também tinha o que pareciam ser hieróglifos.

Eventualmente, o Corpo de Engenheiros do Exército veio e construiu sua barragem, que inundou a área onde a nave estava. Ele suspeita que eles também pegaram a nave.

Histórias como essas são fascinantes para dizer o mínimo, especialmente para aqueles que já conhecem o fenômeno OVNI e a crescente quantidade de credibilidade que o campo vem recebendo ultimamente.