“Por que os extraterrestres me contatariam?” – Tesla se perguntou!

Em 1899, Nikola Tesla estava testando um transmissor que ele construiu para rastrear tempestades a 1.000 km de distância, quando, de repente, ele acreditou ter recebido uma espécie de transmissão de uma fonte desconhecida.

1193
Links Patrocinados
 

Tesla captou pulsos sequenciais de três batidas e isso não fazia sentido para ele, e quanto mais refletia sobre elas, mais ele se convencia de que esses sinais deviam ter se originado em algum lugar fora da Terra. Ele pensou que era, possivelmente, um sinal extraterrestre originado em algum lugar dentro do nosso sistema solar. O transmissor da Tesla era ultra sensível o suficiente para receber ondas de rádio de muito além da Terra.

Nikola Tesla acreditava firmemente que era um absurdo pensar que somos os únicos seres inteligentes no universo. Ele também acreditava que seres inteligentes iriam, naturalmente, procurar formas de se comunicar com outros seres inteligentes.

Links Patrocinados
 

Tim R. Swartz, um conhecido biógrafo de Nikola Tesla, diz que pode ter havido uma conexão entre o inventor futurista e alienígenas inteligentes, de acordo com seu livro semi-autobiográfico The Lost Papers, de Nikola Tesla. Aqui está o que ele diz.

“Ele disse que soava como pessoas conversando umas com as outras. Ele fez anotações dizendo que ele estava realmente ouvindo seres inteligentes de outro planeta conversando entre si, embora ele não soubesse em que língua eles estavam falando. Mas ele sentia que os entendia.”

Quando entrevistado, em fevereiro de 1901, pela Collier’s Weekly (revista norte-americana, fundada em 1888 por Peter Collier), Tesla deu esse relato e deixou registrada sua crença em extraterrestres. Aqui, em suas próprias palavras, ele descreveu:

“Enquanto eu estava aprimorando minhas máquinas para a produção de intensas correntes elétricas, eu também estava aperfeiçoando os meios para observar os pequenos efeitos. Um dos resultados mais interessantes e também de grande importância prática, foi o desenvolvimento de certos artifícios para indicar a uma distância de muitas centenas de quilômetros uma tempestade que se aproximava, sua direção, velocidade e distância percorrida.

Foi realizando este trabalho que, pela primeira vez, descobri esses efeitos misteriosos que suscitaram um interesse tão incomum. Eu havia aperfeiçoado tanto o referido aparelho, que de meu laboratório nas montanhas do Colorado eu podia observar todas as mudanças elétricas que ocorriam em um raio de mais de 1.000 km de distancia.

Eu nunca vou esquecer as primeiras sensações que experimentei quando me dei conta de que eu havia observado algo de consequências incalculáveis ​​para a humanidade. Senti-me como se estivesse presente no nascimento de um novo conhecimento ou na revelação de uma grande verdade. Minhas primeiras observações me aterrorizavam positivamente, pois havia nelas algo misterioso, para não dizer sobrenatural, e eu estava sozinho em meu laboratório à noite; mas naquela época a ideia de que esses distúrbios eram sinais inteligentemente controlados ainda não haviam se apresentado para mim.

As mudanças que notei estavam ocorrendo periodicamente e com uma precisão tão clara, em termos de número e ordem, que não eram rastreáveis ​​a nenhuma causa conhecida por mim. Eu estava familiarizado, é claro, com os tipos de distúrbios elétricos produzidos pelo Sol, por Auroras Boreais e correntes terrestres, e eu estava absolutamente certo de que essas variações não se deviam a nenhuma dessas causas.

A natureza dos meus experimentos impediu a possibilidade de as mudanças serem produzidas por perturbações atmosféricas, como tem sido erroneamente afirmado por alguns. Foi algum tempo depois, quando o pensamento me veio à mente que as perturbações que eu havia observado poderiam ser devidas a um controle inteligente.

Embora não conseguisse, na época, decifrar seu significado, era impossível pensar neles como tendo sido inteiramente acidental. A sensação de que eu fui o primeiro a ouvir uma saudação de um planeta para o outro vem crescendo constantemente em mim. Um propósito estava por trás desses sinais elétricos”.

O ponto crucial era que, embora Nikola Tesla não pudesse decifrar o significado das mensagens que recebia, ele estava convencido de que alienígenas mostravam-se interessados ​​na Terra e, sendo mais avançados, deixavam suas marcas em nosso planeta. Ele estava absolutamente convencido de que em algum lugar do universo havia formas inteligentes de vida.

Não é segredo que existem invenções de Tesla que foram atribuídas a outros “inventores”, como o rádio, e o FBI apreendeu inúmeros documentos com invenções que estavam muito a frente do seu tempo, uma possível tecnologia secreta, incluindo uma versão de seu famoso transmissor sem fio que poderia enviar ondas de rádio focadas em pontos distantes do sistema solar.

Enquanto o gênio de Tesla é indiscutível, algumas pessoas questionam se sua mente teria se tornado delirante em algum momento.