Reino de Davi: novas descobertas poderiam confirmar sua existência

Mesmo quem não é cristão já deve ter ouvido falar da famosa história da disputa entre o pequeno Davi e o gigante Golias, afinal essa é uma das passagens mais conhecidas e populares da Bíblia.

369
Reconstrução virtual da suposta cidade do reino do Rei Davi em Israel
Links Patrocinados
 

Só que até agora não havia nenhuma prova definitiva da existência do Reino de Davi, e um número cada vez maior de pesquisadores duvidavam que o tal reino tivesse realmente existido.

A evidência científica mais significativa da cidade descrita na Bíblia eram as ruínas da chamada “Residência do Governador”, uma construção que foi destruída no século 8 durante a invasão Assíria, e mesmo assim as datações por carbono mostravam divergências e não coincidiam com os relatos históricos.

Links Patrocinados
 

Só que agora um estudo publicado pelos arqueólogos Avraham Faust e Yair Sapir no jornal ‘Radiocabon’ reascende as esperanças de quem acredita na história bíblica: os pesquisadores descobriram que um fenômeno conhecido como “efeito casa velha” pode ter enganado os cientistas anteriormente, datando de forma errada as ruínas da antiga cidade do rei Davi.

Imagem aérea das ruínas da ‘Casa do Governador que faria parte do cidade do Rei Davi

Segundo os pesquisadores, o fenômeno “efeito casa velha” pode fazer com que uma construção antiga revele registros somente de sua última fase, e assim “as fases anteriores são dificilmente representadas nas pesquisas, pouco estudadas e raramente publicadas”.

Segundo o Dr. Faust “as datas de radiocarbono da fundação abaixo do piso da construção indicam que o edifício já existia desde o século 10 a.C., entre o final do século 11 e o terceiro quarto do século 10 a.C”.

Os estudiosos também alertam que esse mesmo “efeito casa velha” pode ter distorcido muitas outras datações importantes pelo mundo todo, o que poderia colocar em cheque inúmeras descobertas confirmadas.

Para eles a comunidade científica deveria reexaminar muitos casos onde erros de datações por carbono podem ter descartado partes importantes e verídicas da história.