Uma Colisão Galática a caminho

Nossa galáxia, a Via Láctea, está fadada a colidir com outra galáxia vizinha. Mas não estamos falando da maior espiral do nosso grupo, Andrômeda, e sim da irregular Grande Nuvem de Magalhães (LMC), quarto maior membro do grupo local de galáxias que perde em tamanho apenas para Andrômeda, a própria Via Láctea e a galáxia do Triângulo.

124
Links Patrocinados
 

Essa colisão deverá ocorrer em aproximadamente 2 bilhões de anos, muito antes do impacto previsto com Andrômeda e poderá trazer graves consequências para a Via Láctea, de acordo com as conclusões de um estudo efetuado por pesquisadores da Universidade de Durham – Reino Unido.

Os cientistas acreditavam que a Grande Nuvem de Magalhães, localizada a cerca de 163.000 anos luz, orbitava a Via Láctea há bilhões de anos, no entanto, recentes medições por satélite revelaram que essa galáxia tem quase dobro de matéria escura do que se supunha. Por possuir uma massa maior do que o esperado, a Grande Nuvem de Magalhães está rapidamente perdendo energia e acabará por entrar em rota de colisão com a Via Láctea.

Links Patrocinados
 

O principal autor do estudo, Dr. Marius Cautun, concluiu que a colisão da Grande Nuvem de Magalhães com a Via Láctea, despertará o buraco negro supermassivo localizado no centro de nossa galáxia, convertendo-o em um núcleo galáctico ativo ou quasar, uma poderosa fonte astronômica de energia eletromagnética. Ainda segundo o cientista, o fenômeno irá gerar poderosos jatos de radiação de alta energia, emanando de fora do buraco negro, o qual começaria a devorar o gás circundante aumentando em dez vezes. O Sistema Solar poderá escapar ileso, ou então ser empurrado para fora da Via Láctea, passando a vagar pelo espaço interestelar.

Mas não há motivo para pânico. Provavelmente nessa época não haverá mais nenhuma forma de vida na superfície terrestre, uma vez que segundo os modelos de evolução estelar, o Sol irá aumentar sua temperatura e seu brilho em 10% daqui a cerca de 1 bilhão de anos, evaporando toda a água do planeta e tornado-o um local inabitável. Se ainda tivermos descendentes, eles já terão deixado a Terra há muito tempo.