OVNI avistado por piloto do voo 1628 da JAL

Em 17 de Novembro de 1986 ocorreu um dos mais bem documentados encontros entre um avião e um UFO/OVNI. Um voo fretado de cargas da Japan Airlines, JAL 1628, um Boeing 747, transportava uma carga de vinho francês proveniente de Paris, França com destino a Tóquio, Japão.

576
Links Patrocinados
 

O vôo especial foi programado para ir de Paris a Reykjavik, na Islândia, no Atlântico Norte e da Groenlândia, em seguida, através do Canadá para Anchorage, Alaska, e, finalmente, através do Pacífico para Tóquio.

O veterano capitão Kenju Terauchi, o co-piloto Takanori Tamefuji, e o engenheiro de voo Yoshio Tsukuba tripulavam a aeronave quando esta finalmente entrou no espaço aéreo do estado do Alasca, às 5:09 horário local.

Links Patrocinados
 

Viajando a uma velocidade de cerca de 600 mph a 35.000 pés, eles foram inicialmente contactados pelo Controle de Tráfego Aéreo de Anchorage para confirmar a sua presença e posição. Foi dito à tripulação para virar 15 graus para a esquerda em direcção a Talkeetna num rumo de 215 graus.

Objetos desconhecidos aparecem

Cerca de dois minutos depois de cruzar o Alasca, o capitão Terauchi notou algo com luzes cerca de 2.000 pés abaixo e 30 graus para a esquerda da sua aeronave. No início, ele pensou que era provavelmente um jato americano de Eielson ou Elmendorf Air Force Base patrulhando os céus.

Tinham passado pouco mais de sete minutos após terem avistado inicialmente as luzes quando, sem aviso, dois objetos de origem desconhecida apareceram à frente do 1628. Pareciam estar um por cima do outro e pareciam disparar luzes! O interior do cockpit 747 ficou tão iluminado que a tripulação podia sentir o calor na sua pele.

Terauchi supôs que estes objetos deveriam ser as luzes que havia visto poucos minutos antes mas não conseguiu entender como conseguiram fazer tal movimento, uma surpreendente mudança da sua posição inicial para uma em frente ao 1628. Os dois UFOS/OVNIS mantiveram o ritmo com o 747 por vários minutos. Depois de 5-7 minutos, os objetos alteraram a sua posição passando a uma formação lado a lado.

Representação detalhada do encontro com o UFO gigantesco. Compare o tamanho do objeto com o tamanho do avião

Descrevendo os objetos

O piloto veterano descreveu as luzes como sendo uma cor branco-laranja, e eram como chamas sendo expelidas de motores a jato. Ele tem a impressão de que este “disparo” foi uma maneira de estabilizar os objetos. O seu co-piloto Tamefuji afirmou que eram como “luzes de Natal”, mas de uma cor âmbar.

Capitão Kenju Terauchi

Ele disse: “Lembro-me de luz vermelha ou laranja e branco, assim como uma luz de pouso e verde fraco … ah, piscando.” Ele também acrescentou que por vezes pareciam ser mais fracas, depois mais fortes repetindo este processo continuamente.

O engenheiro de vôo Tsukuba, que estava posicionado atrás do co-piloto, não tinha uma visão tão boa quanto o piloto e o co-piloto, mas ainda podia ver as luzes. Ele declarou: “… eles tinham a forma de janelas de um avião, e eram brancos e âmbar.”
Problemas com a câmara / interferência de rádio

A tripulação decidiu contactar por rádio o controle de tráfego aéreo de Anchorage informando-os do que estava a acontecer e estaria em constante contato com eles durante cerca de meia hora.

O capitão pediu uma câmara para que pudesse validar o que eles estavam vendo. Ele não estava familiarizado com a câmara, e não conseguiu obter uma fotografia. Tsukuba tentou então a sua câmara, mas teve problemas com o foco, e também não conseguiu capturar os objetos para futura referência.

Após a sua fracassada tentativa de capturar o objeto desconhecido em filme, o avião começou a ter problemas de interferência quando se tentou comunicar com Anchorage, e solicitou uma mudança de frequência.

As Nuvens

O Controlo de Tráfego Aéreo de Anchorage foi fazendo o seu melhor para descobrir o que se estava a passar com o JAL 1628. O facto de que a cabina estava imersa em luz era suficiente para declarar uma situação de emergência. Mais tarde, após o incidente, Terauchi falou longamente sobre as questões colocadas pelo Controle de Tráfego.

Representação do encontro com o UFO gigantesco. Compare o tamanho do objeto com o tamanho do avião

“Eles ficavam perguntando sobre a existência de nuvens na área imediata”, afirmou. Na realidade, o Controlo perguntou várias vezes sobre as nuvens, se isso poderia ser a explicação para o que estava causando o aparecimento das luzes. Poderia a tripulação ser iludida pelo facto de as nuvens reflectirem luzes provenientes de algum local não determinado?

Terauchi disse ao Controlo que eles viam apenas algumas nuvens ligeiras perto de uma montanha distante mas esta estava muito abaixo do avião e não poderia ter sido a fonte das luzes. Não havia nuvens para serem vistas em qualquer lugar próximo da altitude do 1628.

Verificação de Radar

Quando a conversa sobre as nuvens terminou, os dois UFOS/OVNIS rapidamente voaram para a esquerda. Mais tarde, Terauchi falou sobre a tentativa de encontrar os objetos no radar.

“Houve uma pálida e esbranquiçada luz fixa na direção que os objetos tomaram, movendo-se em linha com a aeronave, na mesma direcção, mesma velocidade e na mesma altitude em que nós estávamos.”

“Eu pensei que seria impossível encontrar alguma coisa no radar da aeronave se um radar grande não tinha mostrado nada, mas calculei a distância dos objetos visualmente e não era muito longe.”

“Eu defini a distância do radar digital de tempo para 20 milhas náuticas e o ângulo de radar para o horizonte e lá estava ele na tela.”

“… Um objeto verde grande e redondo tinha aparecido a 7 ou 8 milhas (13 km a 15 km) de distância na direção em que o UFO/OVNI estava. Nós relatamos para o centro de Controlo de Anchorage que o nosso radar tinha apanhado o objeto a cerca de 7 ou 8 milhas e na posição de 10 horas. Perguntamos se eles conseguiam apanhá-lo no radar de solo, mas isso parecia ser de todo impossível. ”

Origem Desconhecida Encontrada

O Centro Regional de Controle Operacional de Elmendorf começou a procurar no seu radar para ver se poderiam detectar qualquer alvo não identificado. Depois de alguns minutos eles também apontaram alguma coisa que descreveram como um “retorno de onda primária.” Isto significa que eles foram pegando retornos de radar ocasionais de eco que não foram acompanhadas por um sinal de transponder.

Finalmente, a JAL 1628 chegou perto de Fairbanks. Terauchi viria depois a explicar o que aconteceu.

“As luzes da cidade pareciam extremamente brilhante aos nossos olhos que estavam habituados à escuridão. Estávamos um pouco acima das luzes brilhantes da cidade e verificamos que a luz branca pálida continuava atrás de nós.”

“Subitamente apareceu uma silhueta de uma nave espacial gigantesca. Devemos fugir rapidamente!”

O Centro de Anchorage reportou: “A JAL 1628 está solicitando uma mudança de rumo para a direita 45 graus.”

Terauchi afirmou sobre isso: “Pareceu uma eternidade antes de receber permissão.”

O avião virou para a direita e o controlador AARTCC chamou o controlador de radar de aproximação de Fairbanks para confirmar se o radar de curto alcance tinha um alvo perto da JAL. O radar de aproximação não relatou nenhum outro alvo a não ser o JAL 1628. Quando o avião saiu da curva e voou em direção a Talkeetna a uma altitude de 31.000 pés a tripulação ainda ainda podia ver os UFOS/OVNIS.

Aviões enviados para investigar

Várias tentativas foram feitas para enviar outros aviões para a área onde se encontrava a JAL 1628 para ver se também eles podiam ver os objectos; um jato de passageiros da United Airlines às 5:40 e um voo TOTEM militar às 5:51. Nenhum deles conseguiu detectar qualquer anomalia.

Após o evento, a Federal Aviation Administration (FAA) conduziu uma investigação sobre o episódio, emitindo um relatório final em 5 de março do ano seguinte. A FAA, em seu relatório, afirma que os radares captaram o avião da JAL e o reflexo do mesmo nas nuvens que estariam presentes no local. Tal tentativa de explicação foi rechaçada de imediato, pois as nuvens presentes não produziriam tal efeito, por estarem um pouco acima da cadeia de montanhas e bem abaixo do nível de vôo do avião. Além disso temos o registro de bordo do avião e o testemunho do objeto observado.

Assista o video com a Reconstituição do Caso JAL 1628: